A Agência Europeia de Medicamentos (EMA na sigla em inglês) analisou as evidências publicadas recentemente de estudos laboratoriais, estudos observacionais, ensaios clínicos e meta-análises da substância Ivermectina.

Alguns estudos laboratoriais evidenciaram que a ivermectina pode bloquear a replicação do SARS-CoV-2 mas em concentrações de ivermectina muito mais altas do que as alcançadas nas doses atualmente autorizadas.

Os resultados dos estudos clínicos foram variados, com alguns estudos a não demonstrarem qualquer benefício e outros com relatos de um benefício potencial. A maioria dos estudos analisados pela EMA não eram suficientemente representativos e tinham outras limitações adicionais, incluindo diferentes regimes de dosagem e uso de medicamentos concomitantes.

Neste sentido, a EMA concluiu que a evidência atualmente disponível não é suficiente para apoiar o uso de ivermectina em COVID-19 fora de ensaios clínicos.

O Infarmed, no dia 11 de março, já tinha alertado para conclusões semelhantes, concluindo que não existem evidências que apoiem a utilização deste medicamento na profilaxia e tratamento da COVID-19.

Mais informações no website da Agência Europeia de Medicamentos.

Posted on the Infarmed website on 22 March 2021